quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

2015

Um 2015 suave e cheio de saúde e paz a todos.
À mim espero um 2015 de verdade, o que tem sido minha maior busca.
Sei que vou encontrá-la entre as notas da guitarra e as pessoas que amam sinceramente.
Que o resto fique nas lembranças do passado.
Saudades para as boas, esquecimento para as más.
E que se faça um novo presente pois felicidade é um estado mutante.
Bj e abs a todos do bem.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Faixa a Faixa nº 6 - Reflexo Inverso

Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.
*Raramente falo aqui dos arranjos porque música é a expressão mais pura dos nossos sentimentos.
A música, pelo menos como as componho, não carecem do lado racional como a palavra necessita. Música é para se ouvir e sentir, não quero falar sobre isso. Sobre acordes ou teoria.
Já as letras possuem seu lado racional, condutor à emoção e são o tema principal dessas linhas que escrevo a quem possa interessar.
bjs e abs

Reflexo Inverso (Zupo/Hid)
Lançada originalmente no álbum Pedra (2006)

Reflexo Inverso é uma música minha e do parceiro Rodrigo Hid, que preenchi com a letra e idéias abaixo.

"Se você fosse compreendido, como você diz, completamente, então não haveria nenhum outro sentido para a compreensão, daí a necessidade do pecado. "Perceba, que se o mundo todo fosse verde não haveria a cor verde. Da mesma forma, os homens não podem saber o que é estar juntos sem ao mesmo tempo saber o que é a separação. Se todo o mundo fosse amor, então como poderia existir o amor?"
*Trecho de carta de Allen Ginsberg para Jack Kerouac

Uma vez após um show do Pedra no Centro Cultural São Paulo fui abordado no bar da frente (onde se bebe e encontra os amigos após os shows na sala) e perguntado de onde havia surgido a inspiração para o Reflexo Inverso. Isso foi na época do lançamento do disco em 2006. Hoje, dezembro de 2014 colo aqui esse trecho retirado do livro As Cartas (correspondencias trocadas por Jack Kerouac e Allen Ginsberg) e o tomo como uma referência tardia (para a faixa) mas bastante justa aos contrastes, a essência do que me inspirou a escrever Reflexo Inverso, os contrastes.
A busca do outro lado, do avesso de nós, Ying e Yang, nosso estado insano, o beliscão não para acordar mas a dôr, o último ou o primeiro estágio do desespero.
Aquele exato momento em que nos olhamos no espelho em busca de nós, de olhar nos próprios olhos, de buscar socorro. Não é o momento de cura. É de dôr.
"No reflexo inverso o que é triste e frio não sai. Um disfarce uma imagem, igual mas sempre em algum outro lugar. Por esse espelho eu me vejo e não reconheço o que não gosto de olhar. As vezes me perco sem saber pra onde olhar. As vezes me perco sem sair do lugar.
Pra sempre vai, sempre vai ser você."
Soa como uma maldição. Nada mais aterrorizante do que um ser  estático, imutável durante uma vida inteira. Não há pesadelo maior que a inércia. Poucas coisas me irritam mais que a presunção do "saber". É a busca. É a busca, porra!
Quem nunca quis atravessar o espelho ?

Reflexo Inverso - ( Zupo / Hid )
Não vai parar de olhar pra esse espelho ?
Esperando o que o reflexo inverso pode proporcionar.
Fantasiando um efeito.
Dissimulando o que acontece desse lado de cá.
Choros, beijos, segredos do quarto ao acaso,
ao inverso, igual mas sempre em algum outro lugar.
Em algum outro lugar.
Não quer parar, relembrar o que é feito.
No relexo inverso o que é triste e frio, não sai.
Veste a capa de herói ou vilão, que é um disfarce, uma imagem,
igual mas sempre em algum outro lugar.
Em algum outro lugar.
Pelo que quer que esses olhos procurem.
E ainda que o sim vire não.
Mesmo que esqueça o refrão, da sua canção.
Pra sempre vai, sempre vai ser você.
Mas sempre vai, sempre vai ser você.
Pelo que quer que esses olhos procurem.
E ainda que o sim vire não.
Mesmo que esqueça o refrão, da sua canção.
Por esse espelho eu me vejo e não reconheço o que não
gosto de olhar.
Quebra o espelho ! Traz pra fora o que falta e te faz ir buscar.
Voyeur de mim mesmo. Um lance tão surreal, distorção ao extremo.
Quebra o espelho ! Traz pra fora o que falta e te faz ir.
E, vai !
Às vezes me perco sem saber pra onde olhar.
Às vezes me perco sem sair do lugar.


Pedra:
Xando Zupo - Guitarra/Vocal
Rodrigo Hid - Guitarra/Vocal
Luiz Domingues - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Faixa a Faixa nº5 - Livre como você

Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.

Livre como você (Zupo)
Lançada originalmente no álbum Xando Zupo Z Sides (2003)


Livre como você é a faixa de abertura do álbum I Got My Own World to Live que lancei na internet em 2003. Aqui um pouco da história do álbum http://www.xandozupo.com.br/2010/11/velhas-cancoes-pte-2.html
Nessa faixa tive a companhia dos amigos da Patrulha do Espaço, Rolando Castello Jr, Luiz Domingues, Marcello Schevano e Rodrigo Hid que gentilmente me acompanharam nessa gravação.
O que começou em 2001 quando compus a música, finalizou-se em 2003 sendo um desabafo, reflexão, homenagem, lamento, enfim.... à passagem da minha mãe para outras paragens fora do planetinha azul, quando escrevi a letra.
Escrever letras é um eterno estado de atenção. É prestar atenção a todo movimento, à tristeza ou alegria dos amigos, aos olhos do meu cachorro, a vida, a morte, aos humores, ao trânsito, aos cartões postais.... E foi em um cartão de fim de ano da Mauro Salles propaganda que trouxe o título e a parte final da letra dessa música. Um cartão de fim de ano gigantesco em forma de pôster onde cada um dos funcionários da empresa fez um desenho e uma mensagem de natal e réveillon. Lá estava o desenho que minha mãe fez de uma pomba branca que rasgava as amarras da cruz e abandonava a crucificação, com a mensagem: "A paz de um Deus liberto, livre como você ! Feliz 1981 (Francis Vargas). Não sei se ainda encontro esse cartão por aqui, acredito que sim e se o achar posto aqui no futuro. Os posts são sempre realimentados por aqui.
Enfim.... esse cartão e a dor da perda totalmente repentina, de um dia para o outro, não só da mãe mas da amiga de balada, de shows e quem a conheceu sabe que ela não era uma mãe na acepção corriqueira da palavra, fizeram a letra nascer.

"E se amanhã o teu sol não raiar ? E se disserem não ? Isso acontece irmão.
Se a balada de repente acabou sem o sonho que você planejou e se a essência do que era ideal já não toca mais o seu coração.
E se pudesse gritar pra que o mundo te ouvisse ?
E se souber a palavra que é mágica e que põe fim ?
Keep cool, man ! Teu som deve estar legal.
Keep cool, man ! Minha patrulha é espacial.
Cê tá na estrada e som e sol é sempre a minha cara
E se pudesse gritar pra que o mundo te ouvisse ?
E se souber a palavra que é mágica e que põe fim ?
E se pudesse gritar ?
Não deixa a estrada te perder meu amigo. Não deixa a alma envelhecer.
A vida é sonho e eu tô sempre contigo.
A paz de um Deus liberto, livre como você !
E som, e Sol, e som, e sol, e som, e sol....

Encerrando a música, e lembro que a interpretação do Rodrigo Hid parecia já ter arrancado todas as lágrimas possíveis minhas no estúdio, recortei a frase dita por ela /"Do fundão do coração pra você, hein bicho ?! E vai fundo com a vida, tá ?!"/ em uma fita k7 onde ela havia gravado várias crônicas e poemas 22 anos antes de partir.
A mixagem mais difícil da minha vida mas acredito que o final de música mais esperançoso que escrevi na vida e esperança é tudo o que temos, não ?

Um agradecimento especial ao Rodrigo Hid (Oliva) por emprestar a voz magnificamente para uma faixa que eu jamais conseguiria cantar.


domingo, 23 de novembro de 2014

Faixa a Faixa nº4 - O Galo Já Cantou

Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.

O Galo Já Cantou (Zupo/Hid):
Lançada originalmente no álbum Pedra (2006)

O Galo já cantou se originou de um trecho de riff achado nas gavetas de fitas k7 com demos antigas. O Riff fazia parte de um ensaio em 1999 de tentativa de volta do Big Balls, que foi minha banda entre 88 e 2001. As partes B e pré solo foram criadas nos ensaios de pré produção do primeiro cd do Pedra (2006).
A letra foi uma luz no fim do túnel durante um amanhecer perturbado. Eu mudei completamente minha vida e venho mudando a cada ano algo novo e importante como parar de fumar, virar vegetariano, caminhar...enfim curtir baratos muito melhores para a quilometragem em que me encontro mas já tive muitos amanheceres perturbados em outras épocas e sempre aparece um pouco disso nas letras, afinal são experiências que existiram. Na faixa "Pra não voltar" eu fui um pouco mais a fundo nisso mas fica para outro "faixa a faixa". No caso do "Galo" ela tem um tom muito mais libertador e alto astral. As vezes a gente tem de bater o pé no fundo e olhar para cima, não? Alguns trechos com referência ao mar e estrada, apesar de suas inserções serem primordialmente metafóricas, foram inspiradas por imagens reais. Durante o fim dos anos 80 e início dos 90 eu frequentava muito a rodovia Tamoios e a Rio-Santos e por várias vezes fazia esse percurso sozinho... bem, não sozinho pois meu Roadstar estava sempre lá também. (Para quem não sabe, Roadstar é um toca fitas K7 e não o apelido do meu Corcel II.)
"Sempre abre alguma porta quando outra fechou. Tem anjo que é salvador.
Que diz ser sempre um novo início, quando chega o amanhecer. "
Esses pensamentos sempre me atraem, aquele lance de doar coisas, roupas...deixar o velho ir para abrir espaço para o novo. Enxergar que realmente as portas que se fecham são etapas encerradas para que outras se iniciem. A nossa vida não é um script já escrito que estamos fadados a seguir mas um livro que estamos escrevendo e pode mudar a qualquer segundo.
"Pra quê chorar ao se despedir? Meu bem, sempre vem o amanhecer.
Às vezes, de repente, sol que foi poente volta a brilhar."
Então, já que o Galo já cantou e pra frente é que se anda...se largue pela estrada.....
E, claro, Aumenta o som, Aumenta mais uma vez e vem ver o sol nascer.


Pedra:
Xando Zupo - Guitarra/Vocal
Rodrigo Hid - Guitarra/Vocal
Luiz Domingues - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria


Pedra - O Galo Já Cantou + The Mule - Sala Olido 2013 from Pedra on Vimeo.



Xando Zupo - 2016:
Fernando Janson - Vocal
Ricardo Alpendre - Vocal
Marcião Gonçalves - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria
Xando Zupo - Guitarra



Você pode se interessar também por - Live Sessions Estúdio 500







O Galo já Cantou - ( Zupo/ Hid )
Letra - (Zupo) 

Já não demora, o galo já cantou.
Tanta porrada já não importa o que passou.
Pra que tapar olhos e ouvidos quando chega o amanhecer ?
Se a maré mal trouxe, já levou. Se tudo acaba e foi bom o que ficou.
Aumenta o som, aumenta mais uma vez e vem ver o sol nascer.

Me largo pela estrada e vago até me encontrar.
Às vezes, de repente, sol que foi poente volta a brilhar.
Um pouco de silêncio em meio ao movimento que vem e vai como as ondas do mar.

Sempre abre alguma porta quando outra fechou. Tem anjo que é salvador.
Que diz ser sempre um novo início, quando chega o amanhecer.
Já não demora, o galo já cantou. Ainda grita iludido, sonhador.
Pra quê chorar ao se despedir ? Meu bem, sempre vem o amanhecer.

Me largo pela estrada e vago até me encontrar.
Às vezes, de repente, sol que foi poente volta a brilhar.
Um pouco de silêncio em meio ao movimento que vem e vai como as ondas do mar.
As ondas do mar....

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Music Maker



Mas ela acabou ficando assim. DEMAIS!

Music Maker
Strato Music Maker Ivan FreitasClique em HD
Posted by Xando Zupo on Terça, 15 de dezembro de 2015

sábado, 8 de novembro de 2014

Faixa a Faixa nº3 - Furos nos Sapatos

Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.

Furos nos sapatos (Zupo/Mancha):
Lançada originalmente como single em 2014 e faz parte do álbum Fuzuê! (Pedra) (2015)

Furos nos sapatos era uma das faixas em que eu trabalhava durante o período em que o Pedra ficou "descansando" em 2011. Era para sair em um trabalho solo meu e chegou a ser gravada para esse fim. Com a volta do Pedra e o adiamento desse trabalho solo, que ainda está nos planos (** e que hoje já é realidade após o fim do Pedra em 2015 e o início da nova estrada em 2016), regravamos ela para o Fuzuê! (o terceiro álbum do Pedra que sai em comecinho de 2015).
Esse riff inicial me acompanha há décadas. As vezes algum riff faz isso. Em uma das faixas do Big Balls, que incluirei aqui no "Faixa a Faixa" em breve, isso também aconteceu com um riff que me acompanhava há 8 anos e de repente em um ensaio a música nasceu. No caso de Furos nos Sapatos, o riff chegou a ser gravado com violão no estúdio Mosh em 1996 mas o resto do que poderia ser a música era completamente diferente e nitidamente parecia como algo "não acabado". Durante anos esse riff teve várias tentativas e não nascia a canção.
Durante esse intervalo do Pedra, ensaiando um novo repertório para esse trabalho solo, juntamente aos Brothers Ivan Scartezini, Marcião Gonçalves e Marcelo Mancha, consegui finalmente finalizar essa história. Bem...quase...na verdade a gente gravou inteira mas quando regravei com o Pedra ainda incluí 2 acordes que não existiam na harmonia. Isso prova o fato de que nada nunca está realmente finalizado em arte, a gente desiste e resolve que é aquilo, senão enlouquece....sempre pode ficar melhor.
E para ficar ainda melhor, nada melhor que contar com a Tata Martinelli e o Marcelo Mancha na gravação fazendo os backing vocals mais lindos do disco, sem adulação, somente a verdade, nada mais que a verdade e ainda contarmos novamente (A revista em quadrinhos que acompanha o Pedra II foi inteira desenvolvida por ele) com o "parça" Diogo Oliveira nas ilustrações e capa do novo álbum Fuzuê!.
Quanto à letra...
Eu tinha já escrito umas 3 versões dessa letra e a idéia de "furos nos sapatos" derivando da estrada que percorremos era insistente, principalmente após a partida de muitos amigos no último ano 2013/2014 mas o "parça" Marcelo Mancha foi muito feliz citando a questão do "lapso no tempo e no espaço", o que acabou me ajudando a definir o "norte" da conversa. Porque afinal é só isso mesmo...Um lapso no tempo e no espaço. Após essa citação dele a coisa fluiu na velocidade da luz.
Então...
É só mais uma vez enxergar que é somente a estrada, não importa o destino. Era só para gritar algo sobre a passagem de vários amigos, artistas incríveis (daqueles que realmente fazem arte) que nos deixaram nos últimos tempos recentes. Era só para gritar qualquer coisa que amenizasse e que tirasse os olhos dos anos para voltar a prestar muito mais atenção aos minutos, esses sim são muito mais preciosos. Os anos passam mas o minuto do grito é eterno. Que assim seja...


Pedra - Furos nos Sapatos ...- (Zupo/Mancha)
Tenho dito adeus a tantas coisas.
Outras vem ao meu caminho.
Em nossas mentes, lentes diferentes.
Não é final, nem é destino.
E o tempo já não está ao meu lado, tudo muda de lugar.
O que eu quero é só vagar por aí.
Eu não sei como te dizer, que nunca mais eu vou voltar.
Eu quero mais daquilo que não tem e é sempre um passo mais para lá.
O tempo já não está ao meu lado, tudo muda de lugar.
São só histórias e rastros, furos nos sapatos enquanto eu vagar por aí.
É um lapso no tempo e no espaço, enquanto eu vagar.



 


Pedra:
Xando Zupo - Guitarra/Vocal
Rodrigo Hid - Guitarra/Vocal
Luiz Domingues - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria

 


Você pode se interessar também por - Live Sessions Estúdio 500


Xando Zupo - 2016:
Fernando Janson - Vocal
Ricardo Alpendre - Vocal
Marcião Gonçalves - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria
Xando Zupo - Guitarra


quarta-feira, 5 de novembro de 2014

No ar os 4 singles novos do Pedra!

No ar os 4 singles novos. Fuzuê! está a caminho. Quem curte, compartilha e grita que a música brasuca vive e respira. Um grande salve a todos vocês que acompanham o som do Pedra. Valeu !
Agradecimentos especiais a :
Tata Martinelli e Marcelo Mancha - Back Vocais em Furos nos Sapatos.
André Knobl - Sax em Os teus Olhos
Ilustrações : Diogo Oliveira

Pedra AO VIVO na Brasil 2000

Perdeu-nos AO VIVO, tocando, falando sobre a banda, lançamentos e apresentando os singles na Rádio Brasil 2000 ontem ? Tá no ar também. Foi legal demais.
Valeu Osmi, Rubinho e Brasil 2000.
We fuckin' love you!

"O Programa Brasil 2000 fez o lançamento dos novos singles do Pedra e a banda fez mais uma ótima apresentação em nossos estúdios. Confira!"


http://brasil2000.com.br/arquivo/190/brasil-2000-ao-vivo-89-pedra




quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Pedra ao vivo na Brasil 2000 WebRadio - 4 singles novos

Comemorarei meus 47 anos playando ao vivo. Legal demais !

PEDRA lança 4 singles novos e toca AO VIVO na Brasil 2000 Webradio nesta Terça Feira 04/11 as 22:00 hs.
Esperamos vcs nas "ondas da net"

http://www.brasil2000.com.br/


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Faixa a Faixa nº2 - Meu Destino

Antes de tudo dê play no vídeo abaixo, aí vc lê do que se trata. Funciona melhor assim, acredite. Vai lá embaixo e dá play.
Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.

Meu Destino (Zupo/Tharso): Big Balls
Lançada originalmente no álbum Big Balls (1996)

Meu Destino é uma das músicas mais legais que fiz com o parceiro Paulo de Tharso. Foi gravada no disco do Big Balls em 1996.
Na época considerávamos o disco completo, pronto, mas a gravadora insistia que devia haver uma "balada". Achávamos que "Raio de Sol" cumpria essa função, mas eles não, e diariamente vinha a cutucada. A gente ensaiava de seg a sexta por 6 horas diárias preparando o repertório para entrar em estúdio e lembro que eu fui para casa virar a noite atrás de uma luz...ela veio e o Paulo escreveu a letra dentro do estúdio durante os ensaios. Foram dias incríveis naquele estúdio. As vezes haviam 3 letras sendo feitas ao mesmo tempo sobre a mesa.
Acredito que dentro da minha total incapacidade de compor algo harmonicamente rico como as harmonias de Bossa Nova mas talvez inspirado por aquela aura Bossa de "Faz parte do meu show" (Cazuza), incluí a variação de A7+ e Am7. Os acordes abertos devem ter sido algum vislumbre de The Police mas o que me lembro mesmo era da pressão de após 6 ou 8 horas dentro do estúdio ter de arrancar algo não sei de onde para levar para a banda.
Saudades daquela sensação de pressão construtiva e da urgência em que a gente compunha esse repertório já que o medo de perder o apoio da gravadora, numa época em que era ela ou nada, fazia a gente queimar os fusíveis compondo dia e noite. Saudades do parceiro Paulo de Tharso que deixou o planetinha azul no ano passado.
Mas a música e a história, com H mesmo, ficam.....
E essa realmente é uma das filhas mais queridas da estrada.
Nada posso dizer sobre a belíssima poesia da letra do Paulo mas sei que foi feita durante o período em que foi casado com a Silvia Venna e contém elementos desse período.

Meu Destino - (Xando Zupo/Paulo de Tharso)
Eu não quero ver lugar nenhum sem teus olhos, sem a tua mão.
Não me importam os raios de sol porque é você que clareia a minha escuridão, que clareia.
Breve é o tempo mas é longa a vida que cultiva a terra e meus delírios.
Em teus braços começa meu dia. Em teu ventre encontro meu destino.
Em teu peito guardo os meus segredos. Em teus olhos negros e macios.
Deus no céu e os teus seios esguios. Em teu perfil princesa, meu degredo.
Em teu perfil, princesa; meu degredo.
Breve é o tempo mas é longa a vida que alimenta a terra e meus sentidos.
Em teus braços começa meu dia. Em teu ventre encontro meu destino.
Breve é o tempo mas é longa a vida que alimenta a terra e meus sentidos.
Em teus braços começa meu dia. Em teu ventre encontro meu destino.

Big Balls:
Paulo de Tharso - Vocais
Xando Zupo - Guitarra
Pedro Crispi - Baixo
Alex Soares - Bateria


  

Meu Destino faz parte dos shows que venho fazendo com minha banda atual e também do Live Sessions que produzi no Estúdio 500 em 2016/2017





Você pode se interessar também por - Live Sessions Estúdio 500


Xando Zupo - 2016:
Fernando Janson - Vocal
Ricardo Alpendre - Vocal
Marcião Gonçalves - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria
Xando Zupo - Guitarra

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Faixa a Faixa nº1 - Só

Antes de tudo dê play no vídeo abaixo, aí vc lê do que se trata. Funciona melhor assim, acredite. Vai lá embaixo e dá play.
Faixa a faixa são posts onde falo um pouco das músicas que fiz na estrada. As mais queridas, as mais difíceis, as mais inspiradas...enfim as minhas mais mais, para quem quer saber um pouco mais e passa por aqui. Vou escrevendo conforme bater vontade...
Ao lado direito do site, nos "Marcadores" Faixa a Faixa, aparecem todos os postados. Só clicar e ver.

A primeira é "Só" (Zupo/Hid)
Lançada originalmente como single em 2010 e faz parte do álbum Fuzuê! (Pedra) (2015)

Só, foi lançada em 2010 nos singles que o Pedra lançou com vídeos a cada 60 dias. 2010 foi um ano acelerado de trabalho. Compor, ensaiar, gravar, produzir, mixar, filmar, editar e lançar algo novo a cada 60 dias praticamente me exauriu a ponto de terminar a banda por um ano e meio entre 2011 e 2012.
Se enfiar de cabeça em um trabalho significa muitas vezes também um isolamento enorme e foi nesse período que nasceu "Só"
Só, em sua essência sempre teve mais a ver com solitude que solidão e eu sou um cara que se dá muito bem com a solitude, na verdade todos se dão, senão seria solidão.... e o Pensar, pensar, pensar que escrevi em Mira, mas isso é para outro Faixa a Faixa.
Voltando a "Só", a principal inspiração, além de ter sido um momento em que eu realmente me identificava com a idéia de "Não quero visitas, não quero ninguém", foi a idéia de "Cria Cuervos... y te sacaran los ojos". (Crie corvos e eles te comerão os olhos).
 Nas entrelinhas há um pouco da atmosfera emprestada de "Cria Cuervos" de Carlos Saura. Trailer Cria Cuervos
A harmonia final quando a letra diz da "Miragem, a ira e o breu foi inspirada em climas "Elis Regianísticos" num primeiro momento e, mesmo não tendo exatamente a mesma onda de bolero, lembro-me de ter pensado em algo como a sonoridade de "Dois pra lá, dois pra cá" ( Video ) com um adendo da sutileza de um acorde maior, repetido em forma menor e novamente em maior, o que dá um clima bem interessante. Não é a primeira vez que essa atmosfera me inspira, já o fez no final da música "Meu Destino" que fiz e gravei com o Big Balls. Devo ter algum pé no bolero....
Ainda haviam dois acordes na harmonia que remetiam a harmonia de uma outra música e o parça Rodrigo Hid os alterou ajudando a distanciá--la desse efeito.
Só é uma de minhas filhas mais queridas.


Só (Zupo/Hid)
Só, mas muito bem acompanhado
Meu pensamento vago cria cuervos em mim, sem perceber.
Só, incomunicável....
Tudo amontoado
Não quero visitas
Não quero ninguém
A miragem, o cheiro, a ira e o breu
Diante da farsa
Quem fui eu ?
Não presto eu, nem presta você.
Só, e o carro na garagem
A noite não acaba
Miséria dorme feliz porque me tem
Só, meu personagem vaga num boteco sem memórias
que ninguém foi, ninguém viu
A miragem, o cheiro, a ira e o breu
Diante da farsa
Quem fui eu ?
Não presto eu, nem presta você.


Pedra:
Rodrigo Hid - Guitarra/Vocal
Xando Zupo - Guitarra/Vocal
Luiz Domingues - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria

 


Xando Zupo - 2016:
Fernando Janson - Vocal
Ricardo Alpendre - Vocal
Marcião Gonçalves - Baixo
Ivan Scartezini - Bateria
Xando Zupo - Guitarra

Você pode se interessar também por - Live Sessions Estúdio 500



 




segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Pedra, novo single em novembro.


Para o começo de novembro, após 4 anos, novo single do Pedra. Fuzuê! Nascendo...aos poucos.


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Cd e Dvd DNA Elétrico! Vol 1 Guitar Player


Muito feliz, e agradecido pelo convite da Revista Guitar Player, em estar nesse cd ao lado de grandes feras Brasucas e na edição de outubro. Valeu GP !










terça-feira, 19 de agosto de 2014

Próximo Show

Sexta Feira dia 29 de agosto toco com o Pedra no Espaço de artes e convivência Gambalaia. O lugar é pequeno e aconchegante mas o Rock rola e vai direto lá e ainda visitamos amigos do ABC.

Gambalaia Facebook
A pág do evento





segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Quem é esse Xando Zupo?

"Faz mais de 30 anos que a ideia é gravar o próximo disco e fazer o próximo show"



Em 2017, Xando Zupo estará de guitarras em punho há 35 anos.
Tudo começou em 1982 com a primeira guitarra.
Em 1983 aos 15 anos integrou a banda Curto Circuito tocando em pubs da noite paulistana dos anos 80 como Rainbow bar, Café Persona, Black Jack, Yes Brazil, Woodstock, Vitória Pub e em escolas públicas onde o Curto Circuito alugava seu P.A. para eventos como festas e festivais.
O Curto Circuito se manteve ativo por 4 anos.
Em outubro de 1986, Zupo ingressa o Harppia assumindo junto à Flávio Gutok as guitarras no lugar de Helcio Aguirra e Marcos Patriota. A banda desenvolvia material para seu segundo LP e durante o ano de 1987 fazia uma grande tour pelos teatros municipais.
Foram 15 shows em 3 semanas nos teatros Arthur Azevedo, Paulo Eiró e Martins Pena e um extra na Led Slay encerrando a tour.
Em 1991, Zupo ingressa o Patrulha do Espaço e grava o álbum "Primus Inter Pares" lançado em 1994 pela Aqualung Records em LP e relançado em CD nos anos 2000 nos dossiês que contam a história da banda.
Em 1996 Zupo desenvolvia trabalho com o Big Balls, banda que formou em 1988 e caminhava paralelamente às outras, contratados pela Continental/East West lançam seu primeiro álbum, seguido de clips e participações em várias emissoras como Tv Cultura, Mtv, Multishow, Sbt, Radios e shows pelo país.
Em 2003 produz e grava o primeiro álbum solo, lançado apenas na internet, Zupo & Z Sides (I Got My Own World To Live) com a participação de vários convidados especiais. O álbum atinge 3.500 downloads. Uma ótima marca para tempos de internet discada.
Em 2004 Zupo se dedica à construção do Overdrive Studio e aos primeiros alicerces do que seria o Pedra.
Pedra foi formado em 2004 e produziu 3 álbuns até 2015, Pedra (2006), Pedra II (2008) e Fuzuê! (2015), fez shows pelo país em Sescs, festivais, teatros, casas noturnas, produziu vários video clips, videos ao vivo, shows em radio, entrevistas e acaba de hibernar.
Em 2016 Zupo inicia seu novo projeto.
Queimarás no Inferno e Não há nenhuma paz foram dois singles inéditos lançados em
 em 20 de janeiro de 2016.
O novo show comemorando 35 anos de estrada estreou no Sesc Belenzinho em novembro e em dezembro Zupo produziu no estudio 500 um live session comemorativo relendo ao vivo várias faixas dessa estrada e os novos singles.
Os videos desse live session e do Sesc Belenzinho estão sendo publicados semanalmente à partir de janeiro de 2017 enquanto a nova banda compõe e produz um novo album prometido para o segundo semestre. Esse texto e capítulos estão sempre em constante atualização.

O melhor parece vir agora já que "Faz mais de 30 anos que a ideia é gravar o próximo disco e fazer o próximo show" .

Banda Atual: Xando Zupo - Guitarra - Marcião Gonçalves - Baixo - Ivan Scartezini - Bateria
Fernando Janson - Voz - Ricardo Alpendre - Voz


Download de faixas e albuns - https://soundcloud.com/xandozupo1/tracks





Live Sessions estudio 500 e ao vivo Sesc Belenzinho 2017 - Playlist atualizado semanalmente por 30 semanas desde 17/01/2017




Harppia 1987


Patrulha do Espaço
Primus Inter Pares
LP - Gravado em 1992
Lançado em 1994



CD - Big Balls - 1996



Zupo & Z Sides
Lançado na Net : 2003




CD Pedra - 2006





CD + História em quadrinhos
Pedra II - 2008






Pedra - Fuzuê - 2015















Xando Zupo - 2016





Zupo Live Sessions - 2016 -